VI Workshop de Compliance QFS – Controle de Riscos

O VI Workshop de Compliance QFS/Grupo Ferreira Souza  teve como tema o controle de riscos.

Os consultores Fábio e Andréa Antinoro, do SEBRAE/Selos abriram o evento tratando das diferenças entre erro, irregularidade e ilegalidade, apontando a necessidade do estabelecimento de um Sistema de Controle Interno para planejamento e gestão de riscos capazes de afetar a continuidade dos negócios.

Salientaram ser fundamental a execução e atualização constante de um programa de Planejamento e Gestão de Riscos, capaz de identificar e analisar riscos, desenhando respostas e estabelecendo mecanismos de monitoramento e controle.

Como sempre acontece durante os workshops, diversas sugestões foram apresentadas pelos participantes, entre elas:

  • O estabelecimento de diretrizes para implantação de um Sistema de Controle Interno (SCI), para gestão de riscos;
  • A criação de um Canal de Melhoria, para que os colaboradores que desejarem possam apresentar contribuições para melhoria de processos e sistemas do Grupo Ferreira Souza;
  • Instituição de uma campanha de divulgação interna, visando incentivar todos os colaboradores do Grupo a apresentarem contribuições, anônimas ou não, para melhoria de processos; e
  • Estabelecimento de um Sistema de Reconhecimento e Recompensa, com votação e implantação de uma opção de brinde para que a QFS dê o devido reconhecimento e recompense a participação nos workshops e em outros eventos de Compliance.

O encontro foi realizado nesta quarta-feira, dia 29/08/2018, na sala virtual da QFS; e contou com a participação da Direção e de colegas das empresas do Grupo Ferreira Souza sediados em Macapá, Maceió e Brasília.

Empresa Pró-ética: o programa de integridade da CGU

O Programa Pró-ética da CGU visa promover um ambiente corporativo mais íntegro, ético e transparente.

Pró-Ética resulta da conjugação de esforços entre os setores público e privado para promover no país um ambiente corporativo mais íntegro, ético e transparente. A iniciativa consiste em fomentar a adoção voluntária de medidas de integridade pelas empresas, por meio do reconhecimento público daquelas que, independentemente do porte e do ramo de atuação, mostram-se comprometidas em implementar medidas voltadas para a prevenção, detecção e remediação de atos de corrupção e fraude. Conheça mais sobre o “Pró-Ética” consultando nossa seção de Perguntas e Respostas.

Orientações sobre implementação de práticas para promover valores éticos e medidas de prevenção e combate à corrupção podem ser obtidas por meio dos nossos “Guias de Integridade” e das palestras e debates realizados nas “Conferências Lei Empresa Limpa”.

 

Cronograma Pró-Ética 2018-2019                                                                                     

  • Inscrições: setembro a dezembro de 2018
  • Avaliação: janeiro a maio de 2019
  • Reunião do Comitê-Gestor: junho de 2019
  • Premiação: setembro de 2019

Resultado – Edição 2017

A edição 2017 do Pró-Ética contou com a participação de 375 empresas de todos os portes e de diversos ramos de atuação. Das 375 empresas inscritas, 198 enviaram o questionário de avaliação devidamente preenchido e no prazo estipulado. Após o processo de avaliação, 23 empresas foram aprovadas e reconhecidas como Empresa Pró-Ética 2017. Os resultados são divulgados durante a Conferência Lei Empresa Limpa.

Confira, abaixo, quais são as 23 empresas Pró-Ética 2017:

QFS: um case de Compliance e Tecnologia

O uso do ambiente virtual appear.in é o mais recente case de sucesso do Programa de Conformidade do Grupo Ferreira Souza.

Depois de superar algumas dificuldades técnicas iniciais, os participantes dos Workshops de Compliance já se mostram hábeis no uso da ferramenta, que permite a realização de reuniões virtuais sem a necessidade de instalação de qualquer software, sem login e sem senha. Para acessar o ambiente virtual, os participantes só precisam clicar (ou tocar) no link que é disponibilizado no convite.

O acesso pode ser feito utilizando-se um PC ou notebook, tablet ou smartphone, a partir de qualquer localização com acesso à internet.

Depois, é só conversar.

V Workshop de Compliance QFS/GFS

Conflitos de interesses estão presentes no dia-a-dia de qualquer profissional. Há formas certas de solucioná-los.

A quinta edição do Workshop de Compliance da QFS / Grupo Ferreira Souza tratou desse assunto, apresentando onze exemplos e debatendo quais seriam as tomadas de posição adequadas a cada situação.

Mesmo nos melhores ambientes organizacionais, só é possível solucionar corretamente um conflito de interesses quando se conhece a Missão e as diretrizes éticas da organização. Assim, é importante, para as empresas e para os profissionais, que esse conhecimento seja disseminado internamente, de forma a automatizar a tomada de decisões corretas.

Participaram do evento Sidnei Yokoyama, Ravenya Ramos, Iris Cavalcante, Euni Santos e os consultores Andrea e Fábio Antinoro.

 

 

IV Workshop de Compliance da QFS

Esta edição abordou o Código de Ética do Grupo Ferreira Souza, sob a ótica Humanista.

O IV Workshop de Compliance da QFS / Grupo Ferreira Souza foi realizado em 12.08.2018, com a participação de colegas do Amapá, Recife, Maceió e Brasília.

Durante o evento, os participantes puderam expor seus pontos de vista sobre o assunto, segundo o Humanismo utilitarista, hedonista e existencialista, relacionando essas visões ao interesse da QFS e do Grupo Ferreira Souza.

O Workshop foi ministrado pelos consultores Andréa e Fábio Antinoro, da Selos Consultoria, contratada pelo GFS através do SEBRAE/DF.

Programa de Integridade do Governo Federal

A CGU tornou obrigatórios os Programas de Integridade para todos os órgãos da Administração Federal. 

Em abril de 2018, o Ministério da Transparência e Controladoria-Geral da União (CGU) publicou a Portaria nº 1.089/2018, que regulamenta o Decreto nº 9.203/2017 e estabelece procedimentos para estruturação, execução e monitoramento de programas de integridade em órgãos e entidades do Governo Federal (ministérios, autarquias e fundações públicas).

A regulamentação define diretrizes, etapas e prazos para que os órgãos federais criem os próprios programas, com mecanismos para prevenir, detectar, remediar e punir fraudes e atos de corrupção. Ainda que algumas instituições já estejam com ações em andamento, a diferença é que agora os programas de integridade serão obrigatórios, com data limite para implementação até 30 de novembro de 2018.

 

http://www.cgu.gov.br/assuntos/etica-e-integridade/programa-de-integridade

Evento: Compliance e Competitividade Corporativa

IEL-DF e Sesi-DF reúnem empresas para sensibilizá-las sobre compliance

Publicado: Quinta, 16 Agosto 2018 12:04

Trinta e seis empresários se reuniram na tarde dessa quarta-feira (15) na Federação das Indústrias do DF (Fibra) para entender a importância da implementação de um programa de compliance e conhecer normas legais e regulamentares envolvidas nos processos. O encontro foi promovido pelo Serviço Social da Indústria (Sesi-DF), em parceria com o Instituto Euvaldo Lodi (IEL-DF).

No DF, a partir de junho de 2019, só empresas que tiverem programas de compliance poderão fazer contratos com a administração pública local. A obrigatoriedade foi estabelecida pela Lei nº 6.112 e vale para contratos, consórcios, convênios, concessões e parcerias público-privadas com prazos iguais ou superiores a 180 dias e com valores de R$ 80 mil a R$ 650 mil.

O conceito do termo em inglês compliance se refere a estar em conformidade com a lei e a adotar processos éticos, transparentes, de controle e de qualidade. Ao longo da tarde, os participantes assistiram a três palestras sobre o tema, ministradas pela coordenadora do Núcleo de Gestão da Inovação do IEL-DF, Neiane Andreato, pelo diretor de Operações da Inovecom, Wagner Chagas, e pelo diretor executivo da Midnal, Sanclé Albuquerque. Ambas as empresas prestam serviços na área de compliance.

A implementação de um programa de compliance auxilia as empresas no processo de gestão, aumentando o controle e os padrões de qualidade do atendimento ao focar critérios como ética e transparência: “Hoje, o custo das empresas do Brasil é muito alto e um dos motivos é a corrupção, que afasta novos investimentos. Os programas são importantes para que as empresas atuem em conformidade com a ética, independentemente de legislação”.

Para Wagner Chagas, um dos principais benefícios dos programas de compliance é o controle dos custos. “Quando existe processo, é possível estimar os custos do início ao fim. Ou seja, não é só uma questão de transparência, é algo que traz benefícios para a gestão é vai ajudar muitas empresas a parar de sobreviver e a começar a prosperar.”

Euni Santos, compliance officer do Grupo Ferreira Souza, foi um dos participantes do encontro. São oito empreendimentos pelo Brasil, que prestam serviços à administração pública. Ele conta que a adoção do programa de integridade ainda está no começo. “A ideia é fazer a implementação em uma das empresas do grupo e depois replicar para as demais. O maior desafio, neste início, é mapear os processos, mas já percebemos avanços.”

 

O IEL-DF, por meio de seus núcleos de Gestão da Inovação e de Carreiras, oferece consultorias a empresas interessadas em instituir programas de compliance. As ações são desenvolvidas de acordo com o porte e com as especificidades de cada empreendimento. Para obter mais informações, entre em contato com o SAC/Ouvidoria do Sistema Fibra pelo telefone (61) 4042-6565.

Veja mais imagens da palestra no link.

Texto: Aline Porcina
Fotos: Moacir Evangelista/Sistema Fibra
Assessoria de Comunicação do Sistema Fibra

 

https://www.sistemafibra.org.br/fibra/194-noticias/destaque/1838-iel-df-e-sesi-df-reunem-empresas-para-sensibiliza-las-sobre-compliance

III Workshop de Compliance QFS/GFS

Integridade vem do latim integritate: — a qualidade de ser íntegro, de conduta reta e ética.

O III Workshop de Compliance teve a participação das equipes de Macapá, Recife, Maceió e Brasília, e tratou dos Mecanismos de Integridade.

Realizado em 06/08/2018, esse workshop abrangeu a legislação anticorrupção, inclusive as normas do Distrito Federal (L E I 6 . 1 1 2 / 1 8) e a do Estado do Rio de Janeiro (7 . 7 5 3 / 1 7), as sanções previstas em caso de descumprimento e a gestão de riscos de conformidade legal.

Entrevista: elementos do Compliance

Fábio Moreno, da consultoria iComply, conversa com Rogéria Gieremek sobre os aspectos conceituais do compliance.

No bate-papo em vídeo, são destacados os elementos de um Programa de Compliance. Com exemplos práticos, a conversa trata de temas diversos na construção da cultura ética nas empresas.

II Workshop de Compliance QFS/GFS

A ferramenta de Gestão de Riscos permite que o gestor transforme eventos inesperados em oportunidades.

O II Workshop de Compliance da QFS/Grupo Ferreira Souza aconteceu no último dia 3 de agosto de 2018, com participantes de Macapá, Recife, Maceió e Brasília reunidos virtualmente por videoconferência. O tema da conferência foi a Gestão de Riscos.

Os workshops de Compliance são conduzidos pelos consultores contratados através de parceria com o SEBRAE/DF:

Dr. Fábio Antinoro – ADVOGADO, atuante nas áreas de Direito Concorrencial Econômico), Direito do Consumidor, Direito Público Interno, Direito Constitucional, Direito Administrativo, Civil, Aeronáutico e Trânsito Direito Civil(Acessibilidade e Mobilidade) e Arbitragem Consultor para as áreas de trânsito, penal-econômico, direito do consumidor, regulação econômica, Aeronáutico, Constitucional e Administrativa Ocupou Diretorias de Administração e Finanças do SIPAM – Sistema de Proteção da Amazônia, Ministério da DEFESA e do DENATRAN; CONTRAN, Atuou como Assessor Especial junto a Procuradoria da ANAC, Gabinetes e Comissões Parlamentares na Câmara Federal.

Andréa Antinoro – Administradora de empresas, pós Graduada em Gestão Empreendedora. Fundadora e CEO da Selos – Serviços de Excelência, Logística e Organização Social. Atua como consultora sênior nas áreas de gestão de processos; políticas comercais, administrativas e operacionais; gestão de pessoas e materiais; planejamento estratégico; pesquisa de mercado e analise sócio econômica em diversos segmentos. Ocupou cargos de gestão em empresas multinacionais e nacionais como: Accor Hotels; Intelig; Sistel – Fundação da Telebrás; Shell Brasil S.A; Shopping Design Center ; Pool de concessionárias CCR. Soma-se a sua experiência, atendimentos diretos a clientes como: SEBRAE, SENAI, FIBRA, FECOMERCIO, VOTORANTIM, FUNDAÇÃO BANCO DO BRASIL, BRB, UNB, FNDE, VIP LOGÍSTICA, entre outros.

Compliance – Perguntas frequentes

Respostas a algumas das perguntas mais comuns a respeito do Programa de Compliance da QFS / Grupo Ferreira Souza

Quatro questões têm sido mais frequentemente levantadas, e procuramos esclarecê-las abaixo. Por favor fiquem à vontade para consultar-nos a qualquer momento a respeito desse Programa, através do e-mail compliance@grupoferreirasouza.com.br , via Telegram ou por qualquer outro meio que acharem mais conveniente.

 

1. O que é o Programa de Compliance?

• O compliance é uma questão estratégica para uma boa governança corporativa, sendo indispensável nas empresas, independentemente do seu porte e de seu segmento, uma vez que busca assegurar que o exercício das suas atividades se dê de forma sustentável. Estar em compliance significa estar em estrita conformidade com o ordenamento jurídico e com as regulações e as normas internas e externas aplicáveis, bem como em consonância com elevados padrões éticos e de responsabilidade social e ambiental. O Programa de Compliance do Grupo Ferreira Souza destina-se, também, a cumprir as exigências da Lei Federal 12.846/2013 (Lei Anticorrupção), e atender à legislação específica que está sendo adotada por diversas unidades da Federação, como RJ e DF, tornadas obrigatórias para todas as entidades que tiverem contratos com a Administração Pública Federal, Estadual, Municipal ou do Distrito Federal.

 

2. Se o Programa é da QFS, por qual razão os colaboradores de outras empresas precisam tomar ciência dele?

• Embora o Programa esteja sendo implantado inicialmente na QFS, o Código de Ética é do Grupo Ferreira Souza como um todo. Como informado na Carta do Presidente, o Código de Ética é uma oficialização dos princípios que norteiam a ação das empresas do Grupo e de cada um de seus colaboradores. O Programa de Compliance será também gradualmente estendido a todas as empresas do Grupo.

 

3. Como posso me informar melhor sobre o Programa?

• Todos terão oportunidade de participar dos workshops semanais promovidos pelo Grupo, ocasião em que receberão mais informações e poderão apresentar suas dúvidas. Os workshops acontecem sempre às segundas-feiras, das 15h até as 17:30, e a sala virtual (appear.in/qfs) comporta até 12 acessos, permitindo que várias pessoas se reúnam fisicamente para participarem virtualmente, usando um mesmo acesso. Iris convidará a cada um, mas todos serão bem-vindos, inclusive os que já participaram dos workshops anteriores. Diversas informações sobre o Programa de Compliance já estão disponíveis no site da QFS (https://qfsconsulting.com.br/). Recomendamos que assistam ao vídeo explicativo na seção “Vídeos” do site. Adicionalmente, estão sendo programados pela Direção alguns workshops presenciais do Programa em Maceió, Recife e Macapá.

 

4. O que é esperado das pessoas que integram o Grupo Ferreira Souza?

• Espera-se de cada pessoa o que afirmou o Presidente em sua carta:

“Cada integrante do GRUPO FERREIRA SOUZA é e passa a ser responsável por atuar de forma ética e íntegra, garantindo um ambiente de trabalho seguro, digno e estimulante com difusão de nossos valores internos”.

O que significa “estar em Compliance?”

Essa costuma ser uma das perguntas mais frequentemente levantadas pelos presentes em workshops de Integridade.

Na maioria das vezes, limitamo-nos a respondê-la, esclarecendo que Compliance é a tradução do verbo inglês to comply, que significa agir de acordo com uma regra, uma instrução interna, um comando ou pedido.

Ou seja, explicamos que Compliance significa “conformidade”.

Via de regra, oferecemos uma resposta clássica, sem nos determos na complexidade que envolve o assunto. Isso ocorre pelas limitações de tempo ou falta de oportunidade para apresentar Compliance como sendo “respeito às normas e preceitos éticos”, ou numa versão funcional: “um conjunto de atividades e procedimentos integrantes dos Controles Internos”.

No Brasil, essa expressão adquiriu maior popularidade após a edição da Lei 12.846/2013, conhecida como a Lei da Empresa Limpa ou Lei Anticorrupção, que prescreve o Compliance como metodologia organizacional para mitigar o risco de corrupção.

Todavia, desde o final dos anos noventa do século passado, o termo Compliance já frequentava os manuais de procedimentos e fazia parte do discurso corporativo no Brasil, notadamente dos profissionais ligados ao mercado financeiro.

Isso porque em 1998, o Conselho Monetário Nacional, havia adotado os “13 Princípios da Supervisão Bancária”, ditados pelo Comitê da Basiléia e publicou a Resolução Bacen 2554 recomendando a implantação e implementação de Sistema de Controles Internos nas Instituições Financeiras e exigindo conformidade (Compliance) em suas práticas.

Naquele mesmo ano foi editada a Lei 9.613, dispondo sobre os crimes de “Lavagem de Dinheiro” e criando o COAF – Conselho de Controle de Atividades Financeiras. Por isso se diz que em 1998 o Brasil ingressou na Era dos Controles Internos.

Agora, na primeira década do Século XXI, quando se intensifica a expansão das atividades de Compliance para todos segmentos corporativos no Brasil, as instituições financeiras servem como referência em virtude da relativa maturidade de seus Sistemas de Controles Internos.

A função Compliance

A função Compliance se desenvolve junto ao ambiente de controle fortalecendo seus componentes (ética, integridade, competência,estilo operacional e gerencial, designações de autoridade e a responsabilidade, estrutura organizacional e comprometimento da alta administração).

Contudo, no início de sua implantação, seja por desconhecimento ou resistência “ao novo” se enfatizou que seu objetivo único era buscar a conformidade.

Não resta dúvida que um dos objetivos da função é avaliar a aderência às normas internas e externas, mas essa é uma das perspectivas de sua atuação. Para além disso, assegura a existência de procedimentos e controles associados aos processos e também estimula a observância de Princípios Éticos e de Normas de Conduta no ambiente corporativo.

Consolidar a Cultura Ética é a base de sua atuação.

Por isso se lhe perguntarem “o que é Compliance?”, não tenha dúvida em responder: “é fazer o certo, do jeito certo, pelos motivos certos”.

 

 

Evento “Empresa Íntegra” no SEBRAE/DF

O Grupo Ferreira Souza participou do evento “Empresa Íntegra”, realizado pelo SEBRAE no dia 10 de maio.

Um dos palestrantes, o Deputado Distrital Chico Leite, discorreu sobre a Lei 6.112/2018, que dispõe sobre a obrigatoriedade de implementação de Programas de Integridade para as empresas que celebrem contratos com o Governo do Distrito Federal.

 

10/05/2018

I Workshop de Compliance da QFS / Grupo Ferreira Souza

Participaram do I Workshop de Compliance membros do Grupo sediados em Brasília, Recife, Maceió e Macapá.

O primeiro evento oficial de Integridade da QFS Consulting / Grupo Ferreira Souza foi realizado no dia 17 de julho de 2018, conduzido pelos consultores do SEBRAE / Selos, Dr. Fábio e Dra. Andréa Antinoro.

O Grupo tem utilizado tecnologia de videoconferência para reunir semanalmente seus integrantes, estejam eles em Macapá, Recife, Maceió, em Brasília ou em algum aeroporto, do Oiapoque ao Chuí.

Create A product first!

Create a product first please!